Home > Marist World > General House: “Esplendor de Mãe” – uma pequena joia que nos oferece o nosso mariólogo, Irmão Giovanni Bigotto

 


 



 


Social networking

Marist Brothers

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Today's picture

Italy: General Councils of the Marist Brothers and the Brothers of La Salle

Marist Brothers - Archive of pictures

Archive of pictures

 

Latest updates

 


Calls of the XXII General Chapter



FMSI


Archive of updates

 

Marist Calendar

19 September

Our Lady de la Salette
Saint Januarius

Marist Calendar - September

“Esplendor de Mãe” – uma pequena joia que nos oferece o nosso mariólogo, Irmão Giovanni Bigotto

 

Archive: 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007 | 2006 | 2005 | 2004

29/08/2012: General House

 

GiovanniNa minha viagem para Lisboa-Fátima acabo de ler o livro de reflexões marianas do Irmão Giovanni Bigotto: “Esplendor de Mãe – Maria de Nazaré no coração da Igreja e na vida do povo”. Foi um dos livros que elegi como leitura espiritual neste mês de Maio. Tinha sido publicado para o Ano Mariano que os Irmãos do Brasil organizaram em 2011. Uma publicação que era devida para não perder tão rico material. Já conhecia bastante de perto o estilo literário e mariano do Irmão Giovanni Bigotto pois em 2003 tínhamos publicado, em conjunto, “Uma meditação sobre Nossa Senhora” (464 páginas).

Aí apareciam 32 reflexões sobre Maria. Neste novo livro aparecem 78 reflexões todas de grande qualidade e beleza literária: o Irmão Giovanni, além de bom mariólogo, é um bom escritor. Entretanto tinha já publicado mais dois livros marianos: “Maria, a mãe de Jesus – Exegese e espiritualidade” (2008) e “Maria dos Evangelhos” (2009, publicado em 4 línguas pelas Irmãs Paulinas). Além disso, sabemos que pelo menos nos três últimos anos o mês de maio tem sido sempre apresentado na nossa página, diariamente, com textos do Irmão Giovanni. Só temos a agradecer-lhe essa produção mariana que é fruto não só da inteligência, mas também do coração.

Neste último livro, “Esplendor de Mãe”, o coração ocupa uma grande parte nas suas reflexões. Mas eu diria que se trata de um “coração inteligente” que sabe unir a clareza da exposição à ternura e ao carinho que o texto mostra em relação à Mãe. Eu sinto-me orgulhoso em ter na mesma comunidade (vivemos em comunidade durante mais de 10 anos) um irmão com uma finíssima sensibilidade mariana que é capaz de partilhar com todos nós a riqueza e amor mariano que lhe vai na alma.

O livro “Esplendor de Mãe” não é um livro de exegese, diferentemente do outro antes publicado: “Maria, a Mãe de Jesus”. Eu chamá-lo-ia antes um livro místico, catequético e pastoral. Sente-se ao longo de toda a leitura a proximidade do Giovanni, em relação a Maria. Todo o texto exprime, com ternura e afeição, essa vizinhança. Contudo não queria deixar de sublinhar o substrato bíblico que está presente em quase todas as reflexões, além de o Capitulo 3 ser especificamente de teor bíblico: “Meditando o novo Testamento”.

EsplendorNa sua maior parte é um livro que parte da experiência, da vida. É interessante e fascinante, ao mesmo tempo, a capacidade que o Giovanni tem de rezar com os acontecimentos. Nisso está em pleno, no coração da Espiritualidade Marista tão bem sintetizada no nº 76 de Água da Rocha: “A oração é o recurso que propicia o aprofundamento das experiencias da vida… A nossa oração surge da vida e devolve-nos à vida”. Revela também no livro um grande conhecimento de algumas basílicas marianas, de grande importância histórica, em Roma ou em outros lugares. Quem em Roma, teve a felicidade de o ter como guia, como eu, sabe como isso é verdade. Mas sabe também, como o Giovanni, para além da arte, era capaz de chegar a Deus e a Maria através da beleza que ela exprimia. A arte e a beleza surgiam como caminho para Deus e Maria. Vários textos do livro exprimem essa certeza.

Perdoaremos ao Giovanni as várias repetições que povoam o livro. Mas era quase impossível que em 78 “retratos” de Maria não houvesse pinceladas ou cores que se repetissem. No fundo, o Giovanni tenta olhar para Maria a partir de diferentes ângulos e perspetivas, ou melhor, a partir de diferentes experiências, enriquecidas muitas vezes, pela mesma luz evangélica ou mariana. De certo modo, são repetições que só enriquecem o “retrato” da Mãe e lhe dão mais brilho. A mesma luz pode ser captada de muitas e diversas maneiras e oferecer sempre um detalhe novo, uma perspetiva diferente. São repetições que podem cansar um leitor menos avisado, é verdade. Mas não deixam de ser um olhar que é capaz de extrair sempre coisas novas de um tesouro antigo. Ou capaz de aperfeiçoar coisas antigas a partir de um olhar diferente, renovado.

Teófilo Minga - Fátima, 20 de Maio de 2012

533 visits