Inicio > Mundo marista > Brasil: Brasil Centro-Norte lança 28 publicações sobre economia solidária em Braille

 

 


 



 


Ernesto Sánchez, Superior general

El nuevo comienzo ya ha comenzado
H. Ernesto Sánchez, Superior general



 

FMSI

Conectarse

Hermanos maristas

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Foto de hoy

Australia: Pastoral de la Juventud Marista de Adelaide

Hermanos maristas - Archivo de fotos

Archivo de fotos

 

Últimas novedades

Archivo de novedades

 

Calendario marista

23 noviembre

Santos: Clemente, Lucrecia, Columbano

Calendario marista - noviembre

Brasil Centro-Norte lança 28 publicações sobre economia solidária em Braille

 

Archivo: 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007 | 2006 | 2005 | 2004

24/08/2017: Brasil

 

Inéditos no Brasil, o material se destina a pessoas com deficiência visual, e os vídeos com janelas em Libras.

O Instituto Marista de Solidariedade (IMS), unidade de assessoramento da Província Marista Brasil Centro-Norte/PMBCN, lançou 28 publicações e vídeos relacionados à produção de conhecimento do projeto Centro de Formação e Apoio à Assessoria Técnica em Economia Solidária – Rede CFES Sudeste. O destaque são os conteúdos de economia solidária em Braille, linguagem adaptada a pessoas com deficiência visual, inéditos no Brasil, e os vídeos com janelas em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais).

As publicações foram agrupadas em duas coleções, chamadas Trilhas Educativas e Trilhas da Inclusão. A primeira é voltada à formação dos educadores da economia solidária, com abordagens de aprofundamento conceitual e metodologias. A segunda se destina ao público do cooperativismo social, que inclui pessoas em situação de vulnerabilidade social, como deficientes, trabalhadores da saúde mental, catadores egressos do sistema prisional, dentre outros.

Segundo a diretora do IMS, Shirlei Silva, por meio da coleção Trilhas da Inclusão muitas pessoas poderão ter acesso fácil e serem inseridas na formação que o projeto promove. “Foi desafiante e ousado produzir os materiais. Nossa proposta sempre foi a construção de metodologias para multiplicadores da economia solidária. No entanto, a perspectiva marista é de sermos inclusivos, ao possibilitar que o maior número possível de pessoas acesse o conhecimento. Com a prática, percebemos que muitos estavam à margem e foi pensando neles que produzimos estes materiais”, explica a diretora.

De acordo com a professora aposentada de Braille, educadora da economia solidária e deficiente visual, Maria de Fátima Pinto Vulp, despertar no cego o desejo de querer ler e conhecer a economia solidária é um dos ganhos que as Trilhas da Inclusão promoverão ao público-alvo. “Acreditamos que o cego deve estar informado de tudo no mundo. A economia solidária está em evidência, está acontecendo e o cego não pode ficar à margem. É necessário que ele a conheça. A inclusão passa pela educação, portanto, o acesso é um primeiro passo para despertar nele o desejo de querer e de buscar”, explicou a professora que é moradora de Vila Velha (ES) e atua na Unicep (União dos Cegos Dom Pedro II).

O projeto Rede CFES Sudeste, que se encerrou em junho, foi executado pelo IMS durante oito anos e articulado em convênio com o governo federal, por meio do Ministério do Trabalho, com apoio e parceria dos fóruns de economia solidária e cooperativismo dos estados da Região Sudeste. Durante os anos de funcionamento, teve como objetivo principal promover a formação e o apoio à assessoria técnica em economia solidária, visando à promoção do desenvolvimento territorial sustentável, no intuito da superação da pobreza extrema na área de atuação.

302 visitas