Home > E-maristes > Champagnat > Letters of Champagnat > Carta de Marcelino - 183

 


Wherever you go

Rule of Life of the Marist Brothers


 



 


Social networking

Marist Brothers

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Today's picture

Germany: Maristen Gymnasium Furth

Marist Brothers - Archive of pictures

Archive of pictures

 

Latest updates

 


Calls of the XXII General Chapter



FMSI


Archive of updates

 

Marist Calendar

20 October

Saint Martha
1957, the first Marist Brothers set out for Ecuador

Marist Calendar - October

Carta de Marcelino - 183

 

Br. Marcellin Champagnat
24/03/1838


In other languages
English  Español  Français  

Nesta carta, o Padre Champagnat narra suas impressões sobre a religiosidade dos parisienses. Também fala com grande admiração dos Seminaristas que se preparam para as Missões no Estrangeiro. É com eles que se hospeda.
Trata com muito carinho o Irmão Antoine (Couturier), o moço que ele acolheu em La Valla, em janeiro de 1818. Foi um dos primeiros Irmãos da Congregação. Os Anais do Irmão Avit o pintam como um tipo perfeito dos excelentes Irmãos formados pelo Padre Champagnat. Simples, austero, de uma dedicação sem limites, este bom Irmão não largou o mundo pela metade, diz o analista, o que significa: Não se afastou do mundo com segundas intenções, deu-se por inteiro ao serviço de Deus e dos irmãos.
Como a maior parte dos primeiros Irmãos, não armazenou grandes conhecimentos, mas exerceu intenso zelo pela educação religiosa. Foi também amante apaixonado da pobreza religiosa. Depois de Millery, dirigiu a escola de Ampuis, onde foi substituído pelo Irmão Hilarion. (cf. Carta no 181)
Foi ali o lugar de seu eterno descanso, aos 51 anos de intensa atividade apostólica.

Paris, 24 de março de 1838. Missões Estrangeiras, rue du Bac, 120.
Caríssimo Irmão Antoine, o querido (Irmão) de lHermitage.
Você está vendo, meu caro amigo, que continuo em Paris, em visita ora a um ora a outro, sem saber qual será o término de minhas correrias desgastantes. Espero, porém, que com o socorro das orações que se fazem em toda parte, conseguirei o objetivo de todas essas andanças.
Ontem falei com o chefe de repartição encarregado de todos os assuntos relativos às Escolas Primárias. É o senhor Pillet, o qual me disse que meu processo conseguiu um parecer favorável em todos os Conselhos Universitários, e que no dia seguinte ele pensava redigir a minuta do Decreto que será apresentado ao Conselho de Estado e, a seguir, ao Rei para que o sancione.
O senhor Lachaize, deputado do Loire, disse ao prefeito de La Valla, atualmente em Paris, que apostaria dez contra um que eu obteria o decreto. Apesar de tudo isto, meu caro Irmão, estou perfeitamente persuadido de que as coisas só acontecerão na medida em que Deus quiser, nem mais nem menos. Mas não deixo de lado nada que possa favorecer nosso objetivo. Sei que Deus quer que nos sirvamos dos homens em tais circunstâncias. Portanto, você está vendo que eu preciso é de orações.
Cumpra juntamente com seus colaboradores, que me são todos muito caros, cumpra, cumpra por amor de Jesus Cristo, todos os seus deveres. Reze e faça seus alunos rezar; você bem sabe quanto Jesus gosta de ser importunado por estas almas inocentes. Minhas andanças na Capital são particularmente no interesse delas.
Estou passando muito bem em Paris. Hospedado no Seminário das Missões Estrangeiras, onde me encontro muito a gosto. Eu posso garantir-lhe: Se não soubesse que estaria fazendo alguma falta em lHermitage, pediria para terminar aqui os meus dias. Sigo o regulamento da casa, tanto quanto me permitem as saídas. Levanto-me ao toque do sino, assisto à meditação e aos demais exercícios espirituais, estou presente nas refeições e nos recreios.
Estou sumamente edificado com a generosa dedicação dos que se destinam às missões longínquas. Que amável caridade reina entre eles! São alegres, mas sem leviandade nem dissipação. Inquieta-os tudo aquilo que ocasiona atraso na partida, mas não os desanima.
Há em Paris um núcleo excelente de bons cristãos. Desejaria que nossos campônios que se julgam bons cristãos, vissem com que respeito o pessoal se comporta na igreja, com que assiduidade e atenção ouvem os sermões! Sobretudo gostaria que presenciassem a piedade e o recolhimento com que se aproximam da sagrada mesa. Não receiam permanecer na igreja por duas ou três horas, pois as cerimônias aqui são muito compridas. É o pessoal mais granfino de Paris que assim procede.
O Irmão Marie Jubin está conseguindo bons resultados. Atualmente segue as aulas para os surdos-mudos, e eu faço o mesmo quando posso.
Nem quero lhe contar, meu caro, o que passei de frio neste inverno. O combustível em Paris é caríssimo: um cidadão comum pode carregar em seus ombros madeira no valor de quinze francos. Várias pessoas morreram de frio.
Adeus, meu caro amigo; adeus, meu caro Théodose, Henry Marie e meu amigo cozinheiro. Que Jesus e Maria sejam sua única herança. Eu sou por toda a vida seu devotado pai em Jesus e Maria.
Champagnat

P.S. Saudações de muito carinho ao senhor Pároco e a seu Coadjutor. Passe minha carta aos Irmãos de Mornant, dizendo-lhes que abraço a todos.
29 de março: Estou chegando do Ministério da Instrução Pública. Lá me anunciaram que o Decreto da autorização estava pronto e que o Ministro o assinaria talvez amanhã, apresentando-o a seguir ao Conselho de Estado, para depois fazê-lo assinar pelo Rei. Garantiu que isso não iria demorar.
Queira anunciar isso aos Irmãos de Mornant e de St-Symphorien, recomendando-lhes que continuem suas preces. Dê esta notícia também ao senhor Pároco, acrescentando que lhe mando mil recomendações. Estou sempre a lhe pedir que não me esqueça em suas fervorosas orações.
Adeus, caro amigo. Penso estar em Lião nos últimos dias da semana santa, mas não é certeza.

3142 visits