Home > E-maristes > Champagnat > Letters of Champagnat > Carta de Marcelino - 196

 


 



 


Social networking

Marist Brothers

RSS YouTube FaceBook Twitter

 

Today's picture

Sri Lanka: Maris Champagnat Association - Annual Meeting

Marist Brothers - Archive of pictures

Archive of pictures

 

Latest updates

 


Calls of the XXII General Chapter



FMSI


Archive of updates

 

Marist Calendar

24 July

Saints John Boste, George Swallowell and John Ingram

Marist Calendar - July

Carta de Marcelino - 196

 

Br. Marcellin Champagnat
20/06/1838


In other languages
English  Español  Français  

Nesta carta, o Padre Champagnat detalha seus planos:
- Mais uma audiência com o Ministro Salvandy;
- Partir em visita de inspeção ao estabelecimento que o próprio Ministro pediu que o Padre fundasse, em Saint-Pol.
- Como de costume, antes de começar uma escola, Champagnat costumava visitar as autoridades locais, inspecionar o local, saber das condições de manutenção dos Irmãos, etc.
- Terminada a visita a Saint- Pol, regressar a lHermitage.
Os Padre Bati e Petit são dois Maristas que querem ir para as Missões da Oceânia.
O Padre Champagnat volta novamente seu pensamento para a escola de surdos-mudos e quer mandar dois Irmãos a Paris para se capacitarem a exercer o apostolado junto a esses deficientes.
No ano seguinte, o Instituto de surdos-mudos de Saint-Etienne pediu ao Padre Champagnat que mandasse Irmãos. Como não se tinha ainda acertado a preparação dos mesmos, os responsáveis por aquela obra tão cara ao coração de Champagnat confiaram a direção aos Irmãos das Escolas Cristãs.

V.J.M.J.
Paris, 20 de junho de 1838. Missões Estrangeiras, rue du Bac, 120.
Meus caríssimos Irmãos,
Acabo de pedir uma audiência ao Ministro da Instrução Pública. Logo que a tiver conseguido, partirei para Saint-Pol (Pas-de-Calais), a fim de visitar a casa e entrar em entendimentos com as autoridades locais. O senhor Delbecque faz questão que fundemos este estabelecimento. A escola oferece grandes vantagens e o êxito é certo, pois a manutenção está garantida.
Quando voltar de Saint-Pol, partirei para lHermitage, onde pretendo chegar pelo dia dois de julho. Ponhamos sempre nossa firme confiança em Maria. Ela já nos concedeu favores demais, por isso não nos vai recusar agora o que lhe estamos pedindo.
Os Padres Bati e Petit chegaram em Paris sexta-feira de tarde, no dia 15 do corrente. Vi-os enlameados, carregando uma mala e entrando pelo meu quarto a dentro. Imagine a minha surpresa, eu nem podia imaginar. Conduzi-os ao Ministério dos Cultos, do qual esperamos receber uns mil escudos e ao Ministério da Marinha, onde conseguiremos pelo menos alguma recomendação. Os problemas deles não se parecem em nada com o meu. Vão acabar logo.
Recebi do senhor Jean-Marie Ginot mil francos para terminar de pagar os objetos que você recebeu. Queira pagá-los ao mano dele, Michel, se ainda estiver na região.
Assim que tiver recebido esta, mande logo a Lião o Irmão François Régis para aprender a imprimir. Para o senhor Guyot será um prazer mostrar como se faz, creio eu. Não passa um dia sem chover. Hoje vai chover o dia inteiro.
Falei com o Superior dos Irmãos das Escolas Cristãs; eles só fazem um desconto pequeno, e mesmo assim às custas da encadernação, de qualidade inferior.
Acabo de solicitar, à administração da escola dos surdos-mudos, a admissão gratuita de dois Irmãos; se conseguir, terão hospedagem, calefação, comida, roupa lavada, iluminação etc. etc., o tempo que for necessário para se formarem.
O Irmão Stanislas não me escreveu nada a respeito da capa magna. Deve ter esquecido. Vou então comprar outra alfaia, com a qual vai ficar muito satisfeito.
Diga a todos os Irmãos que sempre estou pensando neles, sempre pedindo pela felicidade deles. Que rezem por mim. Na novena que estou fazendo diante da estátua onde também implorou graças São Francisco de Sales,- e com que eficácia! - não esqueço nenhum de vocês. Que sejam bem cuidados, bem alimentados os bons Irmãos doentes, aos quais tenho tamanha afeição! Que freqüentemente voltem o olhar para Aquela que chamamos Consoladora dos Aflitos!
Por fim, os Padres Matricon e Besson recebam de minha parte os agradecimentos por todos os serviços que prestam à comunidade. Gostaria de saber o que comprar para agraciá-los.
Abraços a todos Ir. Louis, Ir. Jean-Baptiste, Ir. Jean-Marie, Stanislas, Ir. Hyppolite, Jérôme, Jean Joseph, Theophile, Ir. Pierre, Pierre Joseph, Ir. Étienne, Bonaventure e aos seus noviços. Lembranças afetuosas ao Philippe e à mulher e ao simpático “vovô” Boiron, a todos.
Tenho a honra ser todo para vocês em Jesus e Maria.
Champagnat

P.S. O Padre Bati pede que você não esqueça os recados que deixou.

3005 visits